COBERTURA – 48 FESTIVAL DE BRASÍLIA DO CINEMA BRASILEIRO

QUINTO DIA DA MOSTRA COMPETITIVA

still-04-histc3b3ria-de-uma-pena

por Rafael Beck Andrade

Fechando o final de semana, a Mostra Competitiva de curtas, médias e longa do Festival de Brasília apresentou A Outra Margem, de Nathália Tereza, História de uma Pena, de Leonardo Mouramateus, e Santoro – O Homem e sua Música.

Um agroboy,  morador da cidade de Campo Grande no mato grosso do sul está apaixonado por uma jovem bastante ousada. Durante uma noite, o jovem vaga pela capital sul matogrossense pensando nesse amor que lhe consome. Um agroboy apaixonado não é algo que as pessoas estão acostumadas a ver todos os dias. A outra margem mostra que eles existem. Aliás,  existem aos montes em lugares onde eles são a maioria, como na capital sul matogrossense. Apesar de uma história que pode saturar o espectador, o curta foi realizado todo durante a noite, e tem uma das fotografias mais surpreendentes e interessantes do festival. Além disso, a  mixagem de som deixa cada camada do filme bem clara, tornando o curta um dos melhores produtos audiovisuais do festival.

História de uma Pena narra o convívio social de alguns jovens e seus desafios frente à formação e às aulas de um professor que deseja ensinar poesia. Com planos longos e repletos de diálogos ou monólogos, o curta tem uma fotografia realista e os planos são muito bem compostos. A história contada é bastante simples: jovens com os hormônios à flor da pele e um professor tentando ensinar alguma coisa. Apesar disso, a forma como Mouramateus apresenta a narrativa, revelando momentos de ócio do qual fazem parte a droga, o sexo, as festas) e os de obrigação dos jovens do qual fazem parte o professor, as tarefas, os horários), é bastante convincente. Além disso, os diálogos e monólogos foram criados e interpretados de forma muito natural, ficando claro o quanto a direção do curta é cuidadosa.

Claudio Santoro viveu entre 1919 e 1989. Saiu do Amazonas com a ajuda do governo para estudar no Rio de Janeiro. Lá, conheceu musicistas, intelectuais, grupos que o fizeram se dedicar cada vez à música e foi aluno de Hans-Joachim Koellreutter. Comunista, acabou vivendo em outros países além do Brasil, como França e Alemanha, onde aprofundou seus estudos e conheceu novas realidades. Foi, também, professor na Universidade de Brasília, onde valorizou o estudo da música. Santoro foi um dos maiores compositores e regentes da história da música brasileira, recebendo inúmeros prêmios e homenagens tanto em território nacional quanto internacional. Uma das homenagens mais significativas, é darem seu nome ao Teatro Nacional, conhecido, hoje, como Teatro Nacional Claudio Santoro.

Santoro – O Homem e sua Música é um documentário bastante tradicional e cheio de clichês. Os depoimentos de amigos, familiares, intelectuais são como em qualquer outro filme do gênero e estão ali com uma finalidade apenas: enaltecer o trabalho do protagonista. As interpretações gráficas (desenhos, vídeo arte) das músicas do compositor são pouco criativas e não demonstram, nem de longe, o que se sente ao ouvir uma peça de Santoro. As narrações em off se prolongam ao longo do filme, o que incomoda o espectador, à medida que o longa perde o ritmo criado. O único trunfo do filme são as apresentações das peças de Santoro (aquelas onde músicos, seja orquestra ou não, aparecem) que, ao menos, irão conquistar quem gosta das músicas compostas por Claudio.

Com curtas inteligentes e com fotografias e som excelentes, e com um longa confuso e com muito pouco a ser ressaltado, a noite de domingo foi bastante contraditória. Enquanto A Outra Margem traz uma história nada comum à maioria da população brasileira de forma inteligente, História de uma Pena revela algo que todos já conhecemos, mas com poesia, humor e sinceridade. Duas realidades diferentes, mas que se complementam. O longa da noite, entretanto, se dedica a homenagear Santoro e deixa de se preocupar com o resultado final como produto. A intenção em homenagear um homem tão importante é linda, mas de boas intenções o cinema está cheio (de filmes de baixa qualidade).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *