GRAVIDADE

Por Guilherme Sarmiento Pode-se dizer que a grande sacada do diretor mexicano Alfonso Cuarón em Gravidade, além de realizar um filme que impressiona pela capacidade sinestésica, envolvendo o espectador em camadas de sensações deliberadas por um corpo à deriva, foi encontrar um ambiente ideal para elaborar um conjunto de metáforas audiovisuais,…

Read More

O SABOR DA MELANCIA

UM MUSICAL EXCÊNTRICO Por Guilherme Sarmiento  Este artigo foi desenvolvido no âmbito de projeto de pesquisa sobre musicais cinematográficos beneficiado pelo Edital Fapesb 11/2013, de apoio à formação e articulação de redes de pesquisa no Estado da Bahia,  gerido pelo no Laboratório de Análise Fílmica do Póscom/UFBA. Tsai Ming-Liang despontou nos…

Read More

RUA AUGUSTA

Por Camila Mota Leandro Roque de Oliveira, mais conhecido como Emicida, é um rapper brasileiro que traz em suas letras questões de sobrevivência na favela, problemáticas sociais e politicas. Já lançou 3 discos e um EP, os quais fizeram grande sucesso na cena hip-hop nacional. Tendo em sua carreira atuado…

Read More

UM “TELEPHONE”MA

ENTRE O VIDEOCLIPE E O CINEMA Por Rafael Rauedys   – “Alô! Alô! Baby!” Bem, em 2010 eu tive o prazer de assistir uma obra cinematográfica deliciosíssima, digo – pensei um pouco-, um videoclipe deliciosíssimo de Lady Gaga, com a direção de Jonas Akerlund… Mas, um momento… Filme? Ou videoclipe?…

Read More

O JAPONÊS OCIDENTAL

A NOVA FORÇA DOS ANIMES Por João Marciano Neto As animações japonesas estão há muito tempo presentes no mercado do entretenimento do mundo ocidental e já deixaram de ser focadas apenas no público japonês. Muitos devem ter conhecido ou assistido alguma, em geral, títulos bem mais populares como Os cavaleiros…

Read More

UM FILME PARA MICHAL

PRIMEIRO LONGA UNIVERSITÁRIO BAIANO Por Guilherme Sarmiento   Conheci Michal quando prestava concurso para Professor Adjunto da UFRB. Estava inquieto em cima dos lençóis finos e deslizantes do Cachoeira Apart Hotel. No outro dia, apresentaria meu memorial para a comissão julgadora e, depois, quem sabe, nunca mais voltaria àquela cidade…

Read More

OS DOCES BÁRBAROS

Por Rafael Rauedys   “Música, resistência e transgressão”, palavras que se encontram inscritas na célula de cada um dos filmes de Jom Azulay, Rogério Sganzerla e Antonio Fontoura. Produzidos num período muito singular do Brasil, essas obras cinematográficas marcam, assim, os códigos com que a música brasileira a partir de…

Read More

FOME POR GORE

  Por João Marciano Neto   Traduzindo do inglês,  gore é um termo usado de várias maneira, entre elas para indicar “sangue coagulado”. O termo gore (também conhecido como Splatter) é constantemente associado ao terror por razões bem simples, já que o uso de violência gráfica com o intuito de…

Read More

A RELIGIOSA PORTUGUESA

Por Ian Gadelha   Lembro quando, há uns anos atrás, um amigo emprestou-me uma cópia de um filme francês chamado O mundo vivente, de 2003. Nunca tinha ouvido falar de tal filme, e foi com alguma expectativa que o assisti, diante das recomendações enfáticas de meu amigo. Grata foi a…

Read More

O SUPER HERÓI E O REALISMO

Por João Marciano Neto   Em definição simples, um super-herói é um personagem fictício dotado de habilidades impressionantes que as utiliza em virtude da justiça. Como na maioria dos casos, a primeira imagem que se forma é de um individuo portador de poderes surpreendentes que vão da capacidade de voar…

Read More

CANTO SEM PALAVRAS

A MÚSICA DE SÃO BERNARDO   Por Guilherme Maia   A presença do compositor e intérprete Caetano Veloso em trilhas sonoras pode ser medida por uma rápida consulta ao Internet Movie Database: Caetano tem o nome citado em 84 títulos, entre documentários e obras de ficção para cinema e televisão.…

Read More

O CINEMA FALADO

TRATADO SOBRE VERBORRAGIA   O som deve dar a impressão de ecoar o sentido Alexander Pope   Por Guilherme Sarmiento   Um dos aspectos que mais chama a atenção em O cinema falado(1986), primeira e única incursão cinematográfica de Caetano Veloso na direção, é justamente a capacidade explicativa e evasiva…

Read More

A CLAQUETE MUSICAL DE CAETANO VELOSO

Por Fred Goes A projeção nacional de Caetano Veloso aconteceu no Festival da Canção da TV Record, em 1967, quando apresentou a canção Alegria, Alegria. Música inaugural do movimento Tropicalista. Já, naquele momento, o compositor/cantor revelava seu especial interesse pelo universo cinematográfico. Era desconhecido do grande público que, desde muito…

Read More

NANOOK ENSEMBLE

POR DENTRO DA ORQUESTRA Por Cláudio Seixas   Introdução Os organizadores do primeiro festival de documentários da cidade de Cachoeira, CachoeiraDoc, na Bahia, em 2010, propuseram que a abertura desse evento fosse feita com a exibição do filme Nanook do norte (Nanook of the north, 1922), dirigido por Robert Flaherty,…

Read More

CINEMA PUNK

ARQUIVO, MONTAGEM E ESTÉTICA DE “O LIXO E A FÚRIA” Por Gabriela Machado Ramos de Almeida Se fosse o caso de definir em poucas palavras o documentário O lixo e a fúria (Julien Temple, 2000), diríamos que se trata de um filme “punk”i sobre o movimento punk, dedicado a uma…

Read More

PARCERIA VIDEOCLÍPICA

 ANNIE LENNOX & SOPHIE MULLER Por Rodrigo Ribeiro Barreto   No contexto anglo-estadunidense, artistas femininas participaram precocemente da consolidação e popularização dos videoclipes. Tal inclinação primeva em utilizar os vídeos musicais se contrapôs a uma indisposição disseminada no mainstream musical e roqueiro, que no fim dos anos de 1970 e início…

Read More

VIDEOCLIPE NO RECÔNCAVO

UMA CARTOGRAFIA MUSICAL Por Cláudio Manoel Duarte (claudiomanoelufrb@gmail.com) A ideia é simples. O projeto Videoclipe no Recôncavo é uma das atividades de elaboração de conteúdos da disciplina de Produção do Curso de Cinema e Audiovisual da UFRB, em articulação interdisciplinar com Oficinas Orientadas de Audiovisual e, eventualmente, com Direção. A articulação dessas disciplinas…

Read More

CRIME NO SACOPÃ

FILME PERDIDO OU ESCONDIDO?   A Trajetória do Artesão Sonhador Roberto Pires, nascido em Salvador em 29 de setembro de 1934, foi o “cineasta e inventor” da cinematografia baiana. Mesmo tendo Alexandre Robatto Filho como pioneiro, é Roberto quem vai conseguir angariar esse titulo, com sua teimosia, tenacidade e persistência,…

Read More

VISÕES DA MARGEM

COPACABANA MON AMOUR E O SOM AO REDOR Por Rafael Rauedys De A margem a estética da marginalização Em 1967, Ozualdo R. Candeias lança seu primeiro longa metragem, intitulado A margem. Seu filme surge num cenário que configura o que poderíamos chamar do protótipo de um novo movimento cinematográfico brasileiro,…

Read More